A primavera pela janela

Olá!

Já foste à janela hoje? Não? Vai até lá, então... o que vês? Consegues ver as alterações na Natureza? Pois é, já dá para perceber que a primavera chegou!

O primeiro sinal avista-se nas árvores, cujas folhas verdes as vão vestindo, depois da nudez que o inverno lhes causara.

O segundo sinal vislumbra-se nas florzinhas, tão graciosas, a aparecer nos campos, lá ao longe, ou nos quintais das nossas casas.

Olha em redor... admira as janelas e varandas... observa bem, vê ali e acolá, vasinhos cheios de vida... e cor! Sim, cor… a colorir este triste cenário em que fomos colocados sem pré-aviso e sem o nosso consentimento...

Mas, que mais notamos além do florir colorido? Exatamente... é isso mesmo! Outra característica da primavera é a alternância de estado do tempo. Ora está um sol lindo e radiante, com um calorzinho tão agradável, ora aparecem as nuvens, trazendo com elas uns pingos de chuva e um friozinho que nos faz voltar a vestir o casaco. E estes últimos dias são prova disso mesmo... até nevou, imaginem só!

Ah... também já sentia falta dos sons angelicais dos passarinhos… como é delicioso ouvi-los numa perfeita sinfonia!

 

De repente, enquanto olhava pela janela, surgiu-me uma questão. Porque é que se chama primavera à primavera? Pesquisei e encontrei uma explicação!

Antigamente, o ano era dividido em apenas duas partes, veris (bom tempo) e hiems (mau tempo). No entanto, no séc. XVII, o ano passou a estar dividido em quatro estações, entre as quais a primavera, cujo nome tem origem na expressão "primo vere", que quer dizer "princípio da boa estação".

Vá lá... se ainda não contemplaste os efeitos desta época, vai até à janela... inspira... Hamm… que fragrância tão agradável e sui generis! E agora que estás mais predisposto, depois desta leitura, ativa os teus cinco sentidos e explora tudo ao teu redor. O que vês? O que ouves? O que sentes? A que cheira? A que sabe? Haverá, certamente, um ou outro pormenor que te cativará!

Agora deixo-te com um poema, cujo autor desconheço, mas que estou a ler aqui, debruçada na minha janela...

 

Já se escutam as trombetas,

Anunciando a chegada.

Saem as aves para cumprimentar,

A rainha tão esperada!

 

O senhor inverno, preguiçoso,

Encolhe-se na sua poltrona:

"Se me finjo de dorminhoco,

Livro-me de uma vergonha".

 

Mil pétalas pelo caminho

E ninguém pode negar.

A primavera se aproxima,

E logo irão corar.

 

 

O senhor inverno confuso,

Olha para todos perguntando:

“O que será? O que acontece?

A temperatura está aumentando!”

 

Todos correm para guardar

As blusas e os abrigos.

Brilham os colares de flores,

Agora tudo é divertido!

 

O senhor inverno pensou mudo

E encontrou a solução:

Como é um bom amigo,

Recebe a nova estação.

 

A primavera é paciente

E espera o tempo passar.

D. inverno, inteligente,

Percebe que já não é o seu lugar.

 

Beija a sua mão tão morna,

Ajoelha-se aos seus pés

E com uma reverência

Se despede: “até à próxima vez”!

 

Um chi-coração de toda a equipa.

 

Fiquem em casa

Pois EU+TU=NÓS

Assim TUDO VAI CORRER BEM!